Evite os riscos de uma má avaliação de segurança patrimonial

Segurança Patrimonial - por Security

15 de Julho de 2019

Engana-se quem acredita que basta as empresas de monitoramento e segurança dispor de tecnologias e alocar profissionais que a proteção está garantida. Nada disso! É preciso realizar uma análise de necessidades e, a partir disso, desenvolver um projeto estratégico de segurança patrimonial.

Os riscos de uma má avaliação são diversos, visto que pode deixar setores descobertos e até expor colaboradores a situações arriscadas. Para que isso não ocorra, é fundamental procurar empresas de segurança patrimonial que tenham experiência e capacidade de realizar esse trabalho complexo de diagnóstico.

Neste artigo, você saberá os riscos que a má avaliação pode desencadear e, ainda, conhecerá os processos essenciais para garantir a sua proteção!

Quais as falhas mais comuns da segurança privada?

Existem diversos riscos e vulnerabilidades que podem ocorrer caso não seja realizada a avaliação eficaz e completa das necessidades do cliente. Os problemas mais comuns são:

1 - Falha no projeto: um projeto de segurança patrimonial bem feito deve reduzir danos, perdas patrimoniais e ações criminosas em geral, protegendo o local e os colaboradores. Entretanto, caso não seja feita uma análise técnica - a fim de detectar as vulnerabilidades - a tendência é que o projeto fique incompleto e, portanto, ineficiente.

2 - Falta de padrão nos procedimentos: como em qualquer atividade, é preciso existir processos e procedimentos padronizadas, a fim de garantir que todas as funções serão desempenhadas adequadamente. Sem isto, os profissionais de segurança privada podem ter dificuldade de agir em determinadas ocorrências.

3 - Má avaliação de riscos: este é um dos problemas mais graves da falta de análise por parte de uma empresa de monitoramento e segurança. Quando não se sabe os riscos e os pontos vulneráveis, não é possível criar um projeto que possa combatê-los.

4 - Falta de treinamento: por se tratar de um serviço terceirizado, é imprescindível que os profissionais que forem alocados nas empresas sejam devidamente treinados. Caso contrário, eles não estarão aptos a proteger a vida e o patrimônio do cliente.

Qual o tipo de risco que pode afetar as empresas?

Para criar um projeto de segurança patrimonial, é fundamental fazer a plena gestão de riscos. Os mais comuns são:

Institucionais: são aqueles que podem causar prejuízos à credibilidade e imagem da organização, levando a perdas de clientes e financeiras;

Patrimoniais: engloba a possibilidade de roubo, estelionato, latrocínio, extorsão mediante sequestro, entre outros crimes;

Operacionais: diz respeito às falhas humanas, problemas com infraestrutura e demais situações adversas que podem desencadear acesso indevido, acidentes, incêndios, descumprimento de procedimentos, entre outros.

Mas como evitar que esses riscos? Somente através de um processo minucioso de identificação, análise e avaliação. Falaremos sobre isso a seguir!

Como evitar a má avaliação da segurança patrimonial?

Para garantir uma avaliação precisa das necessidades de proteção de cada cliente, as empresas de segurança patrimonial precisam adotar como regra o planejamento. Elas devem coletar o máximo de dados possíveis e criar um plano específico de ação.

Nesse projeto inicial, devem constar informações como:

  • Diagnóstico de necessidades;
  • Análise de riscos e vulnerabilidade;
  • Lista de equipamentos que serão essenciais, como câmeras e alarme;
  • Passo a passo do processo de instalação das máquinas;
  • Se há a necessidade de vigilância nas áreas externas;
  • Tabela de valores e condições de pagamento.

Além do planejamento, as empresas de segurança patrimonial devem possuir uma estrutura organizada e recursos humanos treinados, pois isso é essencial para que o serviço seja realmente entregue.

1. Estrutura

Ter uma estrutura física e organizacional eficiente é fundamental para garantir a segurança patrimonial. Quando um alarme toca, por exemplo, é preciso que a estrutura da central de monitoramento esteja funcionando adequadamente - para que o sinal seja recebido e os procedimentos, realizados. Nesta mesma situação, é preciso que os processos estejam organizados para que as ações tomadas sejam as mais adequadas.

2. Recursos humanos

Contar com profissionais capacitados é importante em qualquer atividade, porém, quando se pensa em segurança patrimonial, esse fator é ainda mais primordial.

Um dos motivos que leva as empresas a optarem pelo serviço terceirizado é justamente a dificuldade em organizar e controlar a atuação de profissionais que oferecem serviços afins, como é o caso de um segurança. Por este motivo, as empresas de segurança patrimonial devem administrar esse processo de ponta a ponta, ou seja:

  1. Recrutar os melhores profissionais;
  2. Treiná-los adequadamente;
  3. Organizar os processos que devem ser seguidos;
  4. Acompanhar o trabalho;
  5. Realizar avaliações periódicas;
  6. Mantê-los motivados.

No momento em que é feita a avaliação correta e oferecida a melhor estrutura operacional e humana, são maiores as probabilidades de oferecer uma segurança patrimonial eficiente.

Você está precisando de um projeto de segurança patrimonial para sua empresa ou propriedade? Entre em contato conosco e converse com um de nossos consultores especializados!

Comentários

Posts mais lidos

Somos GPTW novamente!

Somos Great Place To Work, nossa nota média na soma de todas as áreas foi 89, essa nota é alta e impacta diretamente na satisfação do cliente Security.

leia mais »

Conecta Security

Soluções integradas para qualquer necessidade de negócio. Conecta Security, tudo sob medida para cuidar do patrimônio, da segurança e do seu dia a dia.

leia mais »