Serviços de Segurança e Facilities Integrados em Shoppings

- por Security

16 de Março de 2022

Quando você vai ao shopping, seu foco está em realizar uma compra, encontrar alguém para uma sessão de cinema, ir a um café ou restaurante. Normalmente, não nos damos conta de toda a operação intensa e elaborada que acontece nos bastidores. Fora das lojas, há um grupo de pessoas que faz o shopping funcionar da forma mais segura possível. 

Entre esses profissionais estão fiscais de piso, controladores de acesso, um concierge ou recepcionista, bombeiros civis e vigilantes, que atuam dentro e fora do shopping, além de realizar rondas de moto no estacionamento. Ainda temos a equipe de limpeza, sempre pronta para deixar o local limpo e sem riscos para as pessoas. 

Da mesma forma, os visitantes que frequentam um shopping durante o dia não têm ideia do que acontece no local à noite. Quem pensa que o expediente é encerrado quando as lojas fecham não poderia estar mais enganado: após os lojistas irem embora começa outra operação importante. O acesso ao shopping se dá pelas docas e um novo turno começa. 

Período noturno traz operação intrínseca

À noite, existem processos extremamente rigorosos e os procedimentos são bem diferentes do período diurno. Neste período, chegam os caminhões para realizar cargas e descargas de grandes volumes. Muito semelhante à uma operação fabril ou industrial.

Marilene Vieira, Key Account Executive da Security afirma que, mesmo no tempo fechado às pessoas externas, a vigilância deve seguir atenta aos detalhes. “Neste período, a maioria das pessoas que está lá é terceirizada. É uma operação bem intensa e há riscos devido à movimentação de maquinário, além da circulação de pessoas em meio às obras e manutenções. Nas docas, há os controladores de acesso, que identificam e autorizam a entrada destes prestadores de serviços e vigilantes que fazem rondas de moto”. 

O efetivo de um shopping depende muito de seu porte e número de visitantes diários. Durante o dia, só a equipe de vigilância pode chegar a 50 pessoas, fora os funcionários que fazem parte da limpeza. À noite, há redução de até 50% de pessoal. A redução ocorre já que não há público e o acesso é centralizado.

Até o perfil dos profissionais diurno e noturno deve ser diferente. Durante o dia, os funcionários estão em contato direto com o público. Precisam ser firmes mas ter cortesia, sorrir sem deixar de prestar atenção em tudo que está acontecendo. Todos que prestam serviço precisam conhecer muito bem o local, pois fornecem informações aos visitantes e há necessidade de uma boa comunicação. 

O posicionamento dos vigilantes nos corredores, por exemplo, é pré-determinado e feito com base em um estudo. Eles só podem transitar entre a loja A e a B para não perder coisas importantes no seu campo de visão e estar em sintonia com a localização do próximo profissional. 

“Quando um shopping contrata uma empresa de segurança, espera que ela traga o expertise de atuação na área e, em conjunto com o cliente, estudam as particularidades do local para estabelecer os melhores procedimentos. A localização, o entorno, perfil dos frequentadores, entre outros fatores, impactam no desenho dos processos da operação e atividades de cada profissional. Por isso a importância de investirmos em treinamento e capacitação da equipe”, comenta Marilene. 

A Security possui equipes capacitadas para atender todas as necessidades de shoppings de forma integral. Entre em contato com nossos consultores para detalhes.

Comentários

Posts mais lidos

Processos Seletivos pós-pandemia

Entenda a diferença entre os processos seletivos tradicionais e os que contam com automatização e digitalização de etapas, que vêm se tornando cada vez mais comuns no ambiente corporativo.

leia mais »