Mulheres na Segurança Patrimonial

Serviços de segurança - por Security

11 de Janeiro de 2021

De acordo com dados do IBGE de 2018, as mulheres ocupam 45,3% dos postos de trabalho, o começo dessa conquista foi em 1940, marco da industrialização no Brasil. Esse processo gerou escassez de mão de obra em algumas funções, consequentemente, elas foram requisitadas para ocupá-las.

Uma maior representatividade feminina também é observada na segurança patrimonial, promovendo uma quebra de paradigmas e de preconceitos que envolvem o setor.

Setor de segurança

Cada vez mais em ascensão, as mulheres estão mudando a cara do mercado de trabalho, assumindo posições que antes não eram características delas. Mas, graças a empresas que buscam equidade de gênero e a inserção de minorias em suas atividades, esse cenário está mudando.

E o segmento de Segurança Patrimonial está incluso no processo dessas transformações. Segundo a Diretora de Desenvolvimento Humano e Organizacional (DHO) da Security Segurança e Serviços, Renata De Luca, a busca pela equidade de gênero faz parte da cultura da empresa, além de ser demandado pelos clientes: “Os gestores de segurança de grandes empresas estão em busca de um equilíbrio nas contratações, oferecendo mais oportunidades para que as mulheres cresçam e ocupem os espaços”.

Aposta do mercado na capacidade da mulher

Dois ótimos exemplos para ilustrar esse equilíbrio nas contratações são o que a Heineken Brasil e a Samsung vêm fazendo em parceria com a Security. A Heineken tem atuado para fortalecer empoderamento feminino dentro de suas instalações, inclusive na área de segurança patrimonial. “Temos uma agenda de inclusão e diversidade em nossa empresa. Esse tema é tratado em todos os níveis da companhia. Para nós, em Segurança Empresarial, não poderíamos agir diferente pois estamos inseridos na estratégia de proteção das pessoas e do negócio”, destaca Antônio de Barros Mello Neves, Sênior Manager Corporate Security da Heineken Brasil.

Para o gestor, “lugar de mulher é onde ela quiser”, por isso acredita que as empresas devem contratar pessoas por competências e não apenas pelo fator gênero. “Ainda que temas como equidade de gêneros, inclusão, diversidade, estejam sendo trabalhados pelas empresas, ainda se tem um longo caminho a percorrer”.

De acordo com o Estudo do Setor da Segurança Privada (ESSEG) publicado em 2019 pela FENAVIST (Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores), apenas 9,7% do quadro de profissionais é composto por mulheres. “Aqui na Heineken Brasil temos o orgulho de anunciar um efetivo feminino de segurança em 42% e esperamos alcançar os 50% em 2021”, reforça Antônio de Barros Neves.

Já a Samsung apostou em uma mudança significativa do quadro de colaboradores que cuidam da segurança patrimonial da empresa ao abrir vagas para um maior número de mulheres nesta função. O analista de Segurança Patrimonial da Samsung, Darlan Lima De Santana, comenta que mulheres são peças fundamentais na operação de segurança: "Elas são detalhistas e possuem bastante responsabilidade com a atividade exercida. Com a soma destes fatores, são cada vez mais ativas nos postos e operações de segurança". Hoje, 50% dos cargos são ocupados por mulheres, que marcam presença em áreas como portaria e VTR (viatura).

A desigualdade entre homens e mulheres no ambiente de trabalho deve ser combatida pelos benefícios que a mulher pode trazer, por exemplo, na sensibilidade para perceber detalhes, administrar contextos de forma diferenciada, bem como no dinamismo no trabalho, o que gera resultados positivos para as organizações.

A psicóloga corporativa da Security, Ana Lucia de Barros Torres, comenta um pouco sobre essas características: “em nosso segmento as mulheres se diferenciam por características como: conseguir prestar atenção em vários pontos ao mesmo tempo, ser firmes sem perder a simpatia e por administrarem bem pressão e conflitos”.

A segurança na prática

A oportunidade e a paixão por querer ter uma profissão que é respeitada e não acreditar que existem atividades determinadas por gênero, tornou o setor de segurança uma área escolhida pelas mulheres.

A colaboradora da Security Fátima Pereira, que atua há 23 anos neste segmento, conta que decidiu trabalhar com segurança por conta do reconhecimento que a sociedade tem com os trabalhadores. Para ela, por ser uma profissão de risco, o apoio da família é crucial: “minha família confia em mim, principalmente minha mãe, que me apoia nas decisões”.

O orgulho por essa carreira também faz parte da vida de Daiane Rodrigues, outra colaboradora da empresa: “para mim é um orgulho quando colocamos o equipamento, ainda mais vendo o reconhecimento de como as mulheres são capazes”, explica. Ela conta que a profissão motivou outras pessoas da família, inclusive a irmã, que fez o curso de vigilantes e atua na área.

Como o setor tem particularidades de procedimentos, por exemplo a organização das tarefas por escala, o segmento permite conciliar vida familiar e trabalho. Para Renata De Luca, “isso é importante porque a mulher consegue alternar dias de folga e de serviço ou ter uma escala com horário limitado, o que ajuda muito na qualidade de vida”.

Para as mulheres, que são parte fundamental da renda familiar, trabalhar com segurança é importante, pois é uma profissão reconhecida, com boa remuneração e muitas empresas contratam em início de carreira, permitindo que a pessoa adquira formação dentro da própria companhia.

Oportunidades na Security

A presença feminina na Security é uma realidade, uma vez que estão em todos os níveis hierárquicos da empresa, contribuindo para o crescimento do negócio e para a satisfação dos clientes. A companhia acredita que há um consenso natural sobre a presença da mulher neste mercado, uma vez que a Segurança Patrimonial passou a ser percebida como uma atitude de prevenção, com equipe capacitada e formada, do que como força física ou presença chamativa ou inibidora.

“Desta forma, incentivamos a presença da mulher em nossa empresa e apoiamos os clientes quando decidem aumentar os postos femininos em segurança patrimonial de seus negócios”, finaliza a Diretora da Security.

COMENTÁRIOS

Posts mais lidos